Nutrição de Plantas

Resumo

O Nitrogênio é o elemento da qualidade porque ele faz parte da composição das proteínas de todas as plantas e animais. O valor nutritivo do alimento que consumimos depende muito da disponibilidade de Nitrogênio para o desenvolvimento da planta e do animal.

O Nitrogênio é exigido pelas culturas em geral em maior quantidade que qualquer outro nutriente.

Nitrogênio

O ar que respiramos é constituído por quase 80% de Nitrogênio e cada hectare de terra no mundo é coberto por cerca de 90 milhões de quilos de Nitrogênio, o equivalente a 90 mil toneladas. Nem um quilo deste Nitrogênio pode ser usado pelas plantas até que ele seja modificado por processos naturais ou por meio da produção de fertilizantes comerciais.

Através de vários processos de "fixação", o Nitrogênio atmosférico gasoso é transformado nas formas utilizáveis pela planta, amônio (NH4) ou nitrato (NO3). Ele pode ser fixado pelo relâmpago e levado à superfície da terra através da chuva ou da neve. Ele pode ser fixado por certos organismos do solo e nos nódulos das raízes das leguminosas.

A fixação industrial fornece milhões de toneladas de fertilizantes nitrogenados comercialmente exigidos para se cultivar plantas em todo o mundo.

 

Funções do Nitrogênio

Nas folhas o Nitrogênio está nos cloroplastos como constituinte da molécula de clorofila, onde cada átomo de Magnésio está ligado a quatro átomos de Nitrogênio. Também participa da síntese de vitaminas, hormônios, coenzimas, alcalóides, hexosaminas e outros compostos.

O Nitrogênio é um nutriente que está relacionado aos mais importantes processos fisiológicos que ocorrem nas plantas, tais como fotossíntese, respiração desenvolvimento e atividade das raízes, absorção iônica de outros nutrientes, crescimento, diferenciação celular e genética.

 

Nitrogênio nas Plantas

Além de ser constituinte dos aminoácidos livres e protéicos, o Nitrogênio está presente em outros compostos importantes, como as bases nitrogenadas (purinas e pirimidinas), os ácidos nucléicos (DNA e RNA), que perfazem cerca de 10% do total do Nitrogênio na planta. Outras formas amino solúveis chegam a compor 5% do N das plantas. A fração presente como NH3 (amônia) e NH4 (amônio) geralmente representa baixa porcentagem (CONN & STUMPF, 1975; MENGEL & KIRKBY, 1987).

 

Nitrogênio no Solo

A quantidade de Nitrogênio suprida pela maioria dos solos é pequena, muito pouco é encontrado nas rochas e minerais. Muito do Nitrogênio do solo vem da matéria orgânica. A matéria orgânica libera o Nitrogênio lentamente, sendo a taxa controlada por fatores como temperatura, umidade e textura. Um dos produtos da decomposição da matéria orgânica, mineralização é o termo correto, é o amônio, que pode ser retido pelo solo, absorvido pelas plantas ou convertido em nitrato. O nitrato pode ser usado pelas plantas, lixiviado para fora da zona das raízes ou convertido a Nitrogênio gasoso (N2) e perdido para a atmosfera.

 

Para mais informações sobre o Nitrogênio, clique aqui

 

Fontes de Nitrogênio

  • Uréia - CO(NH2)2 - 45% N

Principal fonte de N usada na agricultura brasileira, utilizada principalmente em aplicação no solo preferencialmente incorporada para evitar perdas de N. Pode ser aplicada em pulverização foliar em baixas concentrações a fim de evitar injúrias nas plantas (teor de biureto inferior a 0,3 %).

  • Sulfato de Amônio - (NH4)2SO4 - 21% N; 24% S

Fertilizante recomendado em solos que apresentam baixos níveis N e S, possui vantagem de apresentar menores perdas por lixiviação devido sua fonte de N ser amoniacal.

  • Nitrato de Amônio - (NH4)+(NO3) -

O nitrato de amônio é obtido através da neutralização do ácido nítrico pela adição de hidroxido de amonio, ou ainda pode ser preparado com nitrato de sódio e hidróxido de amônio.

O Nitrato de Amônio (NH4 NO3) possui em média 34% de Nitrogênio, é um produto sólido, perolado ou granulado, contém um radical nítrico e outro amoniacal, muito usado na agricultura por possuir menor volatilização e acidificação do solo, se adapta bem às misturas NPK e muito adequado para fertirrigação. Foi o fertilizante nitrogenado mais utilizado no mundo até o fim dos anos 80, onde teve seu consumo reduzido devido ao aumento no controle de sua venda, uma vez que é a matéria-prima principal para a fabricação de Anfos (amonium-nitrate, fuel-oil) (FRANCO et al., 2007). O Nitrato de Amônio, dentre as fontes nitrogenadas mais usadas, é a que apresenta menor índice de acidez no solo, em número de 62, ou seja, para cada 100 kg de Nitrato de Amônio é necessário 62 kg de Carbonato de Cálcio para neutralizar a acidez no solo (SOUZA & LOBATO, 2004).

  • Nitrato de Potássio - KNO3 - 13% N; 45% K2O

Fertilizante utilizado em soluções nutritivas para culturas hidropônicas, e em pulverização foliar em culturas exigentes nesses nutrientes, com objetivo de aporte nutricional em fases fenológicas chave para incremento de produtividade/qualidade de frutos, fibras, sementes.

  • Nitrato de Cálcio - Ca(NO3)2 - 15% N; 19% Ca

Fertilizante especialmente recomendado para preparo de soluções nutritivas destinadas ao uso em sistemas hidropônicos.

  • UAN/URAN - Nitrato de Amônia + Uréia - 40% N

Fertilizante liquido contendo N nas formas Amídica, Nítrica e Amoniacal, recomendado principalmente em pulverização foliar no intuito de aumentar a concentração de N nas culturas em momentos de maior demanda pelas plantas.

  • MAP - Monoamônio Fosfato - 10/17% N; 50/52% P2O5

Fertilizante usado em aplicação no solo em mistura com outros fertilizantes. Possui característica ácida quando reage com o solo, podendo afetar sobrevivência das bactérias fixadoras de N, não sendo recomendado em áreas de primeiro ano de semeadura de soja.

 

Produtos Relacionados