Novidades


05/10/2018
Como age o inoculante Atmo® na soja?

 

O Atmo® é um inoculante da Microquimica específico para soja. Ele contém bactérias fixadoras de nitrogênio do ar do gênero Bradyrhizobium japonicum, que garante o fornecimento de nitrogênio para todo o ciclo da cultura. 

 
 Vale a pena utilizar inoculante em soja todos os anos? 
O processo de realizar a inoculação contendo bactérias de Bradyrhizobium todos os anos, mesmo em áreas velhas de cultivo é denominado de Reinoculação.
As pesquisas apresentadas pela Embrapa demonstram incremento médio de 8% na produtividade. Os resultados da avaliação em três safras realizados pelo IF Goiano com o inoculante Atmo®, a reinoculação apresentou um incremento de 18% em relação ao tratamento sem inoculação.
A reinoculação garante a presença das bactérias que são recomendadas para a cultura, a proximidade das bactérias a semente e as primeiras raízes emitidas na germinação, possibilitando uma nodulação eficiente.
 
 
Análise de concenttração bacteriana em fábrica da Microquimica
 
 
- Como ele foi desenvolvido e registrado? 
O Atmo® foi desenvolvido pela equipe interna de desenvolvimento da Microquimica, submetido a testes de estabilidade da formulação e eficiência em testes de laboratório e campo. O Registro no MAPA é realizado formalmente fornecendo todos os documentos exigidos e apresentando a estrutura de produção conforme a legislação vigente.
 
- Quais são seus diferenciais? 
Produzido em fermentadores automatizados e com rigoroso controle de qualidade, na moderna fábrica de inoculantes da Microquimica em Monte Mor/SP. Os controles de qualidade são realizados em todas as etapas, desde a chegada da matéria-prima, até a quarentena final do produto antes do envio ao mercado. Todos os lotes de produção são constantemente analisados, até a data de validade final do produto. A produção do Atmo® é realizada de forma a proporcionar concentrações iguais das Cepas SEMIA 5079 e 5080 da bactéria Bradyrhizobium japonicum.
 
 
Produção do inoculante Atmo®
 
 
 
- Quais os cuidados que o produtor tem que ter na utilização? 
O Atmo® é composto por bactérias vivas e devem ser tomados os cuidados para não causar a mortalidade antes e durante a utilização. 
Quanto ao produto devemos tomar os cuidados de verificar a data de validade, local de armazenamento, evitar exposição a radiação solar ou altas temperaturas e seguir corretamente as instruções de uso.
Os inoculantes não devem ser aplicados em misturas com fungicidas/inseticidas e micronutrientes, tanto no tratamento de sementes como na aplicação no sulco.
O tratamento de sementes com os inoculante deve ser realizado após o tratamento com os demais produtos como fungicidas ou inseticidas e micronutrientes. Para mais informações de aplicação, acesse aqui a tabela oficial do produto.
 
 
- É possível utilizar Atmo® no sulco de plantio? 
Ele pode ser utilizado no sulco de plantio, porém deve haver uma compensação da dose aplicada em relação ao tratamento de semente, normalmente a dose recomendada para aplicação no sulco deve ser três vezes a dose aplicada no tratamento de semente. Hoje é comum o uso de seis a dez dose de inoculante via sulco de plantio.
A pulverização do produto é uma técnica que tem sido adotada por alguns produtores. A pesquisa já tem resultados comprovando a resposta do uso do inoculante via pulverização de forma complementar ao tratamento de semente, porém oficialmente ainda não temos nenhum produto comercial com recomendação oficial para pulverização.
 
 
- Como o produtor pode avaliar a eficiência do Atmo® a campo? 
A eficiência do inoculante deve ser avaliada no inicio do ciclo de cultivo, 15 a 20 dias após o plantio, o produtor deve retirar as plantas com cuidado para não romper as raízes e verificar a presença e o número de nódulos na raiz principal e secundária da planta.
A atividade dos nódulos pode ser avaliada realizando um corte e observando a coloração do interior do nódulo, quando os nódulos estão ativos a coloração deve ser avermelhada, o que indica a presença da substância leghemoglobina.
A avaliação da nodulação de forma geral deve ser realizada aos 35-40 dias após o plantio, com a contagem do número de nódulos na raiz principal e secundária da planta, o mínimo que deve ser observado é de 4-6 nódulos na raiz principal e entre 20 a 30 no total, quanto maior o número de nódulos melhor para a produtividade da cultura.
 
 
Exemplo dos nódulos com uso de inoculação em soja 

 

Para mais informações, assista ao vídeo sobre o produto, onde o Especialista esclarece mais questões sobre o Atmo®:


 

Microquimica – Juntos Produzimos Mais 



Você já conhece o SynFlex®?


SynFlex® é um protetor biológico para inoculantes, que oferece proteção física e osmótica para as bactérias. 

SynFlex® proporciona proteção para as bactérias contra os fatores nocivos presentes no tratamento de sementes e aplicação no sulco, proporcionando um recobrimento efetivo das sementes pelo inoculante e uma melhor eficiência no processo de fixação biológica de nitrogênio, com incremento da nutrição nitrogenada e aumento de produtividade dos cultivos indicados. A eficácia de SynFlex® na melhoria da fixação biológica de nitrogênio pôde ser comprovada pela maior nodulação e consequente níveis do N Total nas plantas e grãos de soja.
 
Além disso, SynFlex® é autorizado pelo Ministério da Agricultura (MAPA) para uso em tratamento antecipado com inoculantes, proporcionando maior flexibilidade na operação de semeadura. Trabalhos realizados pelo IFGoiano comprovaram que o produto foi eficiente na proteção das células, resultando em maior recuperação, após 2 hs do tratamento de sementes e que, em conjunto com inoculantes líquidos e turfosos, permite o tratamento antecipado em 10 e 30 dias, respectivamente.
 
Para conhecer mais sobre o Synflex® acesse: http://www.microquimica.com/synflex/

Você já conhece o AzzoFix®?


 AzzoFix® é um inoculante líquido, indicado para inoculação de sementes de milho com bactérias fixadoras de nitrogênio atmosférico (Azospirillum brasilense) e também para soja em co-inoculação com Bradyrhizobium.

AzzoFix® traz retorno positivo, com a possibilidade de redução de uso de fertilizantes químicos, ganhos no desenvolvimento das plantas, resistência aos estresses e produtividade, conforme comprovam as pesquisas realizadas na Universidade Estadual de Maringá (UEM) e na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

As bactérias do AzzoFix® se associam as plantas e captam o nitrogênio do ar, que está na forma gasosa e indisponível, convertem em formas assimiláveis e disponibilizam diretamente dentro das células, no processo chamado de Fixação Biológica de Nitrogênio (FBN). Além da FBN, o produto ainda oferece outros benefícios como o aumento do volume de raízes, que chega a mais de 50% na cultura do milho, o que ajuda a planta a acessar e absorver mais água e nutrientes, além de resistir melhor aos estresses. Esse crescimento adicional ocorre devido a liberação de fitohomônios pela bactéria Azospirilum brasilense, que estimula o metabolismo das plantas.


Para conhecer mais sobre o AzzoFix® acesse: www.microquimica.com/azzofix/


Veja mais fotos: